Peugeot

Durabilidade, visual moderno, linhas arrojadas, performance e inovação. Essas cinco qualidades estão sempre presentes em automóveis representados por três dígitos como 206, 207, 307 ou 407 e que levam um pequeno leão como símbolo na grade frontal. Esses fatos transformaram a montadora PEUGEOT em uma gigante mundial.
A história
A história da tradicional montadora remonta a 1810, quando Jean-Pierre e Jean-Frédéric Peugeot converteram um antigo moinho de grão em uma fábrica de aço laminado a frio. Esta primeira fábrica produzia chapas de serra laminadas e molas de relojoaria destinados à indústria do Franco-Condado. Em 1818 a PEUGEOT FRÉRES inicia a produção de ferramentas e acessórios para uso diverso. Por volta de 1850 aparece a marca do leão, utilizada para designar ferramentas feitas com aço de alta qualidade (utilizado na fabricação de lâminas de serra). Oito anos depois, a marca do leão é registrada no Conservatório Imperial de Artes e Ofícios. A empresa crescia e a diversificação na linha de produtos era inevitável: as primeiras bicicletas feitas sob a marca PEUGEOT foram produzidas em 1882.
O conhecimento adquirido na produção de bicicletas e sua posterior motorização colaboraram para o desenvolvimento dos primeiros triciclos e quadriciclos automotores comercializados pela empresa. Em 1890 surge o primeiro automóvel de quatro rodas fabricado pela PEUGEOT. Com motor de 2 cilindros em V da marca Daimler na parte traseira, desenvolvia potência de 1cv. Foi então, que em 1896, Armand Peugeot fundou a Société Anonyme des Automobiles Peugeot na cidade de Audincourt, tendo como endereço a cidade de Paris, e uma firma subsidiária em Marseille. A nova empresa tinha como objetivo produzir veículos de turismo e caminhões. No ano seguinte, seria fabricado o primeiro automóvel, chamado modelo 15, equipado com motor 100% PEUGEOT. A PEUGEOT foi a primeira marca a introduzir pneus de borracha na produção de automóveis. No final do século, em 1899, o portifólio da empresa já compreendia 15 modelos, de 2 à 12 lugares. Um ano depois a PEUGEOT alcançava a marca de 500 unidades produzidas.


Em 1902, acrescentando um motor de 1,5cv a uma bicicleta era criada a primeira motocicleta sob a marca francesa. No ano seguinte é lançado o modelo 306, primeiro carro a ter o motor na parte frontal, capô e volante. Em 1905 foi lançado o carro popular que ficou conhecido como “Bébé Peugeot”, um verdadeiro sucesso de venda. Em 1912, Robert Peugeot sucedeu a Armand e inaugurou uma nova fábrica em Sochaux. O desenvolvimento industrial e comercial teve o apoio com a entrada nas competições automobilísticas dos célebres PEUGEOT com motor de quatro cilindros, que ganharam inúmeras corridas. O período entre 1914 á 1918, foi dedicado quase por completo a suprir as necessidades do exército francês (ônibus, motores de avião e caminhões) na Primeira Guerra Mundial.


Só em 1920, com o fim do conflito, a PEUGEOT deu um novo impulso com o lançamento de um pequeno modelo, o Quadrilette 161. Incluído na categoria de ciclomotores, este veículo de dois lugares, que atingia os 60 km/h, teve uma grande aceitação entre os clientes da marca. Nesta época, a PEUGEOT separou-se em duas divisões: divisão de motocicletas e bicicletas e a divisão automóvel. Nos anos seguintes um plano de racionalização muito importante e a adoção de meios de produção em massa nas fábricas de Sochaux permitiram lançar o primeiro modelo realmente de série da marca: o 201, introduzido em 1929. O modelo revolucionou a história da montadora, afinal, foi a partir dele que a tradicional nomenclatura de três dígitos da marca francesa começou a ser definitivamente adotada. Desde a sua origem, as denominações dos modelos não seguiam uma lógica que permitisse à clientela identificá-los com facilidade. Então foi criada a famosa nomenclatura: com o primeiro algarismo representando o tamanho do carro, o terceiro a cronologia, e o número zero no meio representando a articulação entre os dois elementos. A PEUGEOT patenteou todos os números de 101 a 909, motivo pelo qual a Porsche, em 1963, foi obrigada a alterar o nome do modelo 901 para 911.

 

Em 1939, todos estes esforços de crescimento foram interrompidos, pois, mais uma vez, a empresa sofreu as conseqüências da Segunda Guerra Mundial: ocupação, bombardeamentos e saque das suas fábricas. Somente em 1948 a montadora apresentou um novo modelo no Salão Automóvel de Paris: o 203. Depois de três anos de reconstrução e reativação da produção, Jean-Pierre Peugeot, que presidia a PEUGEOT na época, viu os seus esforços recompensados com o sucesso alcançado por este modelo entre uma clientela que se mantivera durante dez anos órfã de novidades. O design deste modelo, de linhas arredondadas, inspirava-se nos veículos norte-americanos e rompia com a habitual linha sisuda dos modelos 402, lançado em 1934. Do 203 fabricaram-se cerca de 70.000 exemplares entre 1948 e 1960. O modelo foi lançado no mercado em outubro, a versão berlina com quatro portas foi a adaptada pelos taxistas de vários países, e também dois tipos de conversível, com 2 e 4 portas, assim como as versões pick-up e furgão.

 

O modelo 403 foi introduzido em 1955, equipado com pára-brisa convexo e pedais suspensos. Quatro anos depois foi lançada a versão à diesel deste modelo, tornando-se o primeiro automóvel de passeio movido a este tipo de combustível. Em 1960 foi introduzido no mercado o modelo 404 desenhado pelo estúdio italiano Pininfarina, vendendo mais de 1.4 milhões de unidades. A PEUGEOT finalmente alcançava o sucesso. A década de 70 foi cheia de novidades, primeiro, em 1974, ocorreu a fusão entre as montadoras Citröen e PEUGEOT, criando o grupo PSA Peugeot Citröen, atualmente segunda maior montadora do mundo, cujo objetivo era manter a identidade de ambas as marcas, partilhando apenas os mesmos recursos técnicos; segundo, o lançamento do modelo 104, considerado na época o sedan mais curto do mundo; e por fim o lançamento, em 1977, dos modelos 305 e 604, sendo que este último entrou para a história como o primeiro veículo europeu a receber motor turbo diesel.

 

Nas décadas seguintes a montadora PEUGEOT se estabeleceu como uma das gigantes européias, amparada por lançamentos de sucesso mundial como os modelos 206, 307 e 607. Além disso, inaugurou fábricas em países estratégicos como a China (1995), o Brasil (2001) e a Argentina, se tornando uma empresa verdadeiramente global.

 

A linha do tempo
1983
● Lançamento do PEUGEOT 205 com duas versões, Turbo e GTI, podendo ser encontrado a diesel ou gasolina.
1987
● Lançamento do PEUGEOT 405, uma evolução do modelo 205, com tração dianteira.
1989
● Lançamento do PEUGEOT 605, um automóvel de porte médio-grande produzido até 1999.
1993
● Lançamento do PEUGEOT 306, automóvel de porte médio. Este modelo foi produzido até 2001.
1991
● Lançamento do PEUGEOT 106, um automóvel pequeno, sendo ideal para o transporte urbano, cidades lotadas e trânsito caótico.
1995
● Lançamento do PEUGEOT 406, automóvel de porte médio-grande. Este modelo foi produzido até 2004.
1998
● Lançamento do PEUGEOT 206, um grande sucesso mundial, com designer moderno linhas esportivas, o modelo era ágil, adequado para o dia a dia das grandes cidades.
1999
● Lançamento do PEUGEOT 607, automóvel de porte grande.
2001
● Lançamento do PEUGEOT 307, um compacto médio oferecido nas versões hatch, perua, cupê-cabriolet e sedan (esta última apenas na América do Sul e na China).
2002
● Lançamento do PEUGEOT 807, um monovolume top de linha que virou um sucesso de vendas. O modelo passou por uma reestilização em 2008.
2004
● Lançamento do PEUGEOT 407, um automóvel de porte grande oferecido em versões sedan, perua e cupê. O modelo é montado sobre a mesma plataforma do Citroën C5, o novo sedan francês é considerado um carro de dimensões grandes. A PEUGEOT também mostrou grande preocupação com o visual. O acabamento interno é primoroso e o painel e o quadro de instrumentos são de fácil adaptação e manuseio.
2005
● Lançamento do PEUGEOT 107, menor automóvel produzido pela montadora francesa.
● Lançamento do PEUGEOT 1007, uma minivan que possui como destaque suas duas portas pantográficas (deslizam por um trilho fixado na lateral do carro).
2006
● Lançamento do PEUGEOT 207, um carro mais robusto e seguro que o antecessor 206, com mais de 1.250 kg e 4 metros de comprimento. Apresenta-se em duas versões: Sport e Classic.
2007
● Lançamento do PEUGEOT 308, mais novo compacto de porte médio da montadora. O novo modelo terá seis opções de motor, três a gasolina e três a diesel. Sem contar a versão esportiva, a RC, que terá motor de 210 cv e deve chegar em breve.
● Lançamento do PEUGEOT 4007, um utilitário esportivo de médio porte, sendo a primeira experiência da montadora francesa neste segmento. O modelo é feito sob a plataforma do Mitsubishi Outlander, tendo as mesmas medidas: 4,64 metros de comprimento, 1,81 metros de altura e distância entre eixos de 2,67 metros.
2009
● Apresentação no Salão do Automóvel de Genebra do PEUGEOT 3008, um crossover que procura conciliar as conveniências e o conforto de um SUV com a dirigibilidade de um automóvel normal. O modelo oferece alguns sistemas valiosos de auxílio ao motorista, como o Head Up Display (que projeta informações em um visor de policarbonato transparente, situado à frente do parabrisa), alerta de distância em relação ao veículo da frente, freio de estacionamento com acionamento automático e um sistema de assistência para sair da imobilidade em ladeiras. Seu porta malas é generoso: 432 litros com os bancos em posição normal, e 1.241 litros com os encostos rebatidos.
A tradição no esporte
Através dos tempos, a PEUGEOT firmou-se como uma marca genuína de forte ligação com o automobilismo. Foi pioneira ao participar, em 1894, com cinco carros do Rali Paris-Rouen. Um dos pilotos chegou em segundo com um PEUGEOT. Era um começo de uma ligação vitoriosa com o automobilismo que rendeu muitas glórias: 5 títulos de construtores no Campeonato Mundial de Rali; 2 vitórias na tradicional prova 24 horas de Le Mans; 4 vitórias no Rali Paris-Dakar, além de participações honrosas na Fórmula One. Hoje a competição e os valores a ela relacionados estão solidificados em seu DNA. Essa característica contribui de forma efetiva para o desenvolvimento de novas tecnologias, agindo favoravelmente para o fortalecimento da imagem de seus produtos. Fundamentada nesta tradição esportiva, a Peugeot elegeu 2007 como o ano do retorno às “24 Horas de Le Mans”, uma das mais prestigiadas provas de resistência do mundo. Para tanto, projetou um carro à altura deste ambicioso desafio: o Peugeot 908 HDi FAP.

 

O museu
A história para a concepção do museu PEUGEOT começou em 1982 quando Pierre Peugeot, presidente do grupo PSA Peugeot-Citröen, criou a PEUGEOT ADVENTURE ASSOCIATION, com a proposta de coletar e organizar a história da tradicional montadora. Depois de quase seis anos de pesquisas e recuperação de dados e carros históricos, o L’AVENTURE PEUGEOT, foi inaugurado em 1988 na cidade de Sochaux, cidade localizada à 400 quilômetros a leste de Paris, e não muito distante da fronteira com a Suíça, onde está localizada a sede mundial da montadora. Em 2000, o museu já estava três vezes maior que seu projeto original, cobrindo 45.000 m², dos quais 10.000 m² abertos ao público.
O museu conta nos dias de hoje com mais de 450 automóveis, dos quais 100 em exibição (entre eles a McLaren Peugeot que pertenceu a Mikka Hakinen e o Peugeot 908 HDI que venceu a tradicional prova de Le Mans); 300 motocicletas; mais de 3.000 objetos com que levam a marca PEUGEOT e cinco mil quilômetros de arquivos, que contam a rica e maravilhosa história da PEUGEOT. No fundo do terreno, há um pequeno ateliê de restauração. O museu oferece ainda peças para quem estiver restaurando modelos entre o 203 e o 504, além de arquivos de referência para colecionadores. Até os dias de hoje, mais de 1.6 milhões de pessoas visitaram o museu desde sua fundação.

 

A evolução visual
O logotipo da PEUGEOT sofreu inúmeras alterações no decorrer do tempo. O surgimento do tradicional LEÃO aconteceu em 1850 quando a PEUGEOT FRÉRES, para classificar as ferramentas que fabricava, registrou publicamente três símbolos:

– um leão com ou sem flecha para 1º unidade.
– uma lua crescente para 2ª qualidade
– uma mão para a 3ª qualidade.

Em 1932, uma primeira modificação no grafismo do Leão é feita para atender às necessidades de propaganda e publicidade da época. Quatro anos depois os automóveis ganham o escudo com cabeça de leão.
Em 1939, as bicicletas passam a utilizar o Leão combatente. A partir do pós-guerra é adotado o Leão símbolo da região de Franche-Comté que corresponde também ao Montbéliard, região de origem do clã PEUGEOT. Em 1980 uma nova modificação realça o estilo do leão com uma linha reforçada (Lion Fil) e logotipo que formaram um conjunto “Bloco Marca” inconfundível em todo mundo. A última identidade visual da PEUGEOT (Lion Plein) ocorreu em 1998, e reflete a fidelidade e raízes da marca, com sentido de modernidade e coerência com recente evolução de produtos. Em 2002, o logotipo da PEUGEOT evoluiu a partir da marca do leão, agregando elementos para garantir maior impacto visual, solidez e flexibilidade de aplicação. Valorizou-se a imagem de uma empresa dinâmica, porém sem deixar de lado a tradição de um nome sempre ligado ao pioneirismo.
Campanhas que fizeram história
A PEUGEOT é responsável por campanhas marcantes no setor automobilístico. Algumas delas ficaram marcadas na mente do consumidor e colocaram a PEUGEOT entre as mais criativas e emblemáticas quando a assunto é comunicação. A campanha intitulada “The Cars”, criada em 2004 pela agência BETC Euro RSCG de Paris para o lançamento do novo Peugeot 407, carro que iria substituir o modelo 406 da fabricante francesa, foi uma verdadeira aula de comunicação. O novo modelo iria competir diretamente com modelos alemães como o VW Passat, Audi A4 e BMW 3 que predominavam nesse segmento. Seguindo o sucesso traçado pelo modelo anterior, o 406, a campanha posicionou o veículo como uma referência de qualidade e design, tal qual acontece com os concorrentes alemães. O jeito escolhido pelos criativos foi mostrar o novo 407 como um carro com corpo latino e alma germânica, como uma nova geração nessa classe de automóveis. Para tanto, os anúncios faziam brincadeiras com carrinhos de brinquedo em uma excelente aventura visual.

A campanha era composta por um comercial de televisão, intitulado “The Toys” (clique no ícone acima para assistir), com 60 segundos de duração, embalado pela trilha sonora “Can You Trust Me?”. Todos os carros mostrados no filme eram brinquedos, exceto o novo Peugeot 407, que desfilava imponente nas ruas de uma cidade. Apareciam todos os tipos de carros e situações comuns aos motoristas, como uma loja de automóveis de brinquedos, um motorista guardando seu carro dentro da caixa, um policial multando e um proprietário chutando seu carro de brinquedo que quebrou. No final, entrava o título:“Playtime is Over” (A brincadeira acabou), seguido da assinatura do Peugeot 407. Uma excelente sacada e também uma forma sutil de mostrar a superioridade do carro da Peugeot sobre seus tradicionais concorrentes alemães.

Porém, o comercial mais famoso e premiado da marca foi criado pela agência EURO RSCG da Itália em 2002 para o PEUGEOT 2006. O filme, que se passa na Índia, tem início com batidas de um carro contra a parede, seguidas de marretadas e até a ajuda de um elefante para amassar o capô. Tudo isso para “transformar” um velho sedan sem atrativos visuais em um PEUGEOT 2006 e estar na moda. Com o slogan “Peugeot 2006, Irresistível”, o filme, chamado “Sculptor”, criou um enorme impacto diante dos consumidores do mundo todo, conquistando inúmeros prêmios publicitários. Clique no ícone abaixo para assistir ao comercial.

 

Os slogans
Don’t dream. Drive. (2006)
Good cars cost less at Peugeot. (2000)
The lion goes from strength to strength. (1997)
Beyond the obvious. (1991)
What a feeling. (1984)
A new sensation on the roads. (1983)
Take pride in precision. (1981)
It’s tougher than it has to be. (1979)
Dirija este prazer. (Brasil)
Dados corporativos
● Origem: França
● Fundação: 1896
● Fundador: Armand Peugeot
● Sede mundial: Souchax, França
● Proprietário da marca: PSA Peugeot Citroen
● Capital aberto: Não (subsidiária)
● Chairman: Phillipe Varin
● Presidente: Jean Philippe Collin
● Faturamento: €65 bilhões (estimado)
● Lucro: €1.3 bilhões (estimado)
● Fábricas: 24
● Produção: 1.967.000 veículos (2007)
● Presença global: 150 países
● Presença no Brasil: Sim
● Funcionários: 134.345
● Segmento: Automotivo
● Principais produtos: Automóveis e caminhões
● Outros negócios: Peugeot Motocycles
● Ícones: O leão de seu logotipo
● Slogan: The drive of your life.
● Website: www.peugeot.com
A marca no Brasil
No ano de 1992 a montadora PEUGEOT chegou oficialmente ao Brasil como importadora de veículos, lançando no ano seguinte o modelo 306, seguido pelo 406 em 1995. A montadora começou a consolidar sua história em solo nacional com a comercialização, em 1999, do modelo 206, um case de sucesso no mundo todo. Então importado da França e Argentina, o veículo chegou a liderar o segmento de modelos compactos 1.6, superando marcas tradicionais no país. A PEUGEOT foi a última das grandes montadoras a construir uma fábrica numa onda de investimentos que começou no final dos anos 90. A fábrica foi inaugurada fevereiro de 2001 em Porto Real no Rio de Janeiro como um dos centros de produção mais modernos do Grupo no mundo. Já em 2006 a fábrica produzia mais de 94 mil veículos por ano.
Recentemente a montadora de início oficialmente à produção do primeiro veículo da marca totalmente desenvolvido no Brasil: o PEUGEOT 207 Brasil, fruto do trabalho de uma equipe formada principalmente por brasileiros. A PEUGEOT dispõe atualmente de 141 pontos de venda espalhados pelo território nacional. Até o fim do ano, a marca deve abrir outras 16 revendas. A montadora francesa tem por meta ultrapassar os 104 mil veículos vendidos no mercado brasileiro em 2008.

A marca no mundo
Os veículos da PEUGEOT são vendidos em mais de 150 países através de uma rede de 10 mil concessionárias. Atualmente, a montadora francesa possui 24 fábricas distribuídas por todo o mundo. As vendas da montadora francesa, sempre muito forte na Europa, ganham destaques em países como China, Rússia e América Latina, especialmente o Brasil. Em junho de 2008, a PEUGEOT, evidenciou o pioneirismo e comemorou a marca de 50 milhões de veículos produzidos num total de mais de 160 modelos e 34 famílias de produtos, desde o modelo 201 ao 308, com estilo e características mundialmente reconhecidas.

Você sabia?
● A marca PEUGEOT tem quase 90% de sua produção vendida no continente europeu.

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s